Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

É Isto Solidariedade?

 

Na pinguinolândia, uma das pinguins resolveu fazer rifas com o intuito de angariar dinheiro para enviar para um país com graves dificuldades económicas - como se o nosso país também não as tivesse! - e onde estão outras pinguins pertencentes à irmandade.

 

As crianças andaram muito entusiasmadas e empenhadas: ofereceram alguns brinquedos seus, trouxeram várias coisas de casa (algumas delas novinhas em folha, com etiqueta e tudo, que foram directamente para os sobrinhos das pinguins, de certeza!) e apelaram aos professores que comprassem umas rifas para ajudar os pobres.

 

Haviam rifas de diferentes valores: dos 50 cêntimos aos 5 euros. Eu, contrariada a convite/pedido dos miúdos, fui com eles comprar as rifas. Eles é que escolheram a modalidade: 2 rifas de 50 cêntimos.

 

Hoje, estava eu a dar a minha aula, quando fui interrompida pela trilionésima vez, pela pinguim-titular que foi distribuir tarefas às crianças pois iria ausentar-se o resto da tarde. A pinguim "cuspiu" entre dentes que ia comprar ???? com o dinheiro das rifas. Eu não entendi nada do que ela disse mas achei estranho ela ir utilizar o dinheiro.

 

À hora do lanche, comentei com uma colega minha que estava tudo silencioso, pois a pinguim-mor não estava lá. E acrescentei que a pinguim tinha ido à compras e devia ter levado a boss. E foi aí que a minha colega me disse " ah, então foram as duas comprar o Menino Jesus com o dinheiro das rifas para mandar para XXX."

 

Bom, caiu-me tudo ao chão!!! Aquelas safardanas andaram a enganar o pessoal todo a dizer que o dinheiro era para enviar para XXX quando afinal era para comprar um Menino Jesus que vai chegar todo em pedacinhos!!! Não seria muito melhor enviar o próprio dinheiro ou outro tipo de bens alimentares?! O Menino Jesus deve alimentar muitas bocas famintas, realmente...

 

Maldita hipocrisia e cinismo. E é isto que me dá volta ao estômago... :/ Nunca mais levam um tusto meu, é o que é!

Coisas De Pinguins.

Estou de volta à pinguinolândia. Sim, é verdade mas não é na Antartida com muita pena minha. Para descobrirem onde fica esta pinguinolândia, vou dar-vos algumas pistas:

 

- Vivem numa casa grande;

- Andam sobre duas patas;

- Vestem de preto e branco;

- Tentam lixar com F grande o pessoal todo;

- Ditam a lei mesmo que esta seja da Era da Pedra Lascada.

 

Ah e faltou acrescentar que euando morrerem vão direitinhas para o inferno.

Já adivinharam? Pois é isso mesmo, voltei para o tal sítio onde também dou aulas. Mas fui às escuras, tipo de olhos vendados e às apalpadelas. é que enquanto na outra escola está tudo organizado e temos a informação sempre em dia e formas de comunicar é o que não falta (facebook, twitter, moodle, site, mail, MSN, telemóvel, rede fia, etc.), na pinguinolândia não há nada. Quer dizer, não há porque as pessoas não querem, não fazem um esforço e quanto menos progresso houver, melhor. Resta um telefone fixo, que não vale a pena ligar pois corre as salas todas e não se encontra a pessoa com quem se quer falar, e um telemóvel da pinguim boss, que não é atendido e nem liga a sms. E não é o caso de não as saber ver.

 

Ontem levei o dia todo a ligar e a mandar sms à pinguim boss. Responderam vocês? Assim respondeu ela! Devia estar muito ocupada a olear as asas (é que no halloween elas transformam-se em morcegos!) e eu, reles e comum mortal, fiquei-me com o silêncio do lado de lá. E porquê tanta insistência minha? Queria nada mais, nada menos do que saber o meu horário de trabalho. É justo, não?

 

Como não obtive qualquer resposta nem ontem nem hoje, fui apresentar-me hoje à hora que eu costumava dar aulas. Quando lá cheguei fui logo falar com a pinguim boss, afinal precisava de saber para onde ia e como era. Agora vejam lá o que se passou:

 

*(MP = Miss Pepper; PB = Pinguim Boss)

MP*: PB, ontem fartei-me de ligar para si e mandar sms para saber do meu horário...

PB*: Pois, tivesses vindo cá... Só olhei para o telemóvel já era meia noite e tal (isto ontem, hoje de manhã não teve tempo de me dar uma ligadela, né?)

MP: PB, não pude vir antes porque comecei as aulas mais cedo no outro lado...

PB: Tivesses vindo cá antes... (ora bardamerda! OOPS!)

MP:.... (sem comentários a não ser que a tivesse mandado para um sítio que eu cá sei)

 

O horário está uma autêntica mixórdia, uma salganhada sem pés nem cabeça e ainda tem de ser reformulado. E isto porquê? Porque as pinguins querem dar graxa fazer as vontadinhas ao macho lá do sítio. Devem ter esperança que um dia ele lhes peça para rezar... hihihi! Ajoelhou, vai ter de rezar! Ou que ele use a sua vassoura para lhes tirar as teias aranhas... das salas delas.

 

Sei que comecei as aulas atabalhoadamente e como pude, tipo assim em cima do joelho (não gosto nada disto assim). Mas o top do dia, o auge, diria até o clímax do dia foi... quando a pinguim boss se colocou a ouvir atrás da porta!

Estava eu a explicar o que queria para trabalhar numa turma, quando ela surge voando a dizer que eu não podia pedir aquele material porque os pais se tinham queixado e que andava tudo desorganizado. Bem, esta foi a maior mentira que já ouvi desde o século passado. Foi ver o nariz dela a crescer, crescer, crescer... Até tive de abrir uma janela com o pretexto de estar calor, mas que na realidade era para o nariz dela sair em vez de partir o vidro.

 

Depois expliquei-lhe por A mai sB o porquê do material e disse as palavras-chave: está no programa e é isto que o ministério diz para fazer. Mudou logo de conversa. Olha a porra, agora já nem posso pedir material - que é normalíssimo - que é necessário para as minhas aulas só porque a ela não lhe apetece?! Meu Deus dá-me força, senão eu corto-lhes as pontas das asas!

 

E foi assim o meu segundo "primeiro dia de aulas": Desmotivante, enervante calmo e num ambiente cínico amistoso e verdadeiro!

 

As Últimas Gotas.

Acho que nunca desejei tanto que uma coisa acabasse. Não pelos miúdos ou pelo cansaço, mas sim pela hipocrisia e mal-estar instalado entre as pessoas.

 

Ninguém está à vontade. Estão todos sempre com reveio de estarem a ser observados à socapa e depois levarem nas orelhas por "não" estarem a trabalhar como "deve de ser". É ter cinquenta pés atrás com a santinha-do-pau-oco que é uma queixinhas sem razão porque, no final das contas, ela é a que não faz a ponta de um corno, e ter duzentos pés atrás com a irmã de serviço que está com a mania que é a dona do pedaço. Como é que uma pessoa que é a desorganização em pessoa, pode dar orientações a alguém? Para se ser líder há que possuir determinadas qualidades e nem todos nasceram para ser líderes. Depois há a mania de ser engraçadinha mas não tem a mínima de piada. E não se enxerga.

 

Este ambiente de desconfiança, de energias negativas, de querer mandar sem o saber fazer acaba com qualquer clima de alegria e boa disposição que possa haver dentro do grupo dos adultos. Resume-se numa palavra o ar que se respira: hipocrisia!

Eu não suporto hipocrisias. Não suporto o não se poder falar abertamente sem que hajam represálias. Não suporto o ter de se dizer sempre "sim" sob pena de se perder o posto de trabalho. Não suporto a distinção entre professores que são iguais. Não suporto "meninas preferidas" que quando menos se espera traiem sem qualquer tipo de pejo.

 

Ainda bem que amanhã é o último dia!

 

Hipocrisia Familiar

Rockwell, Norman, A Family Portrait

 

 

Lembram-se daquele post em que eu vos contei que fracturei o pé no casamento da minha prima? Só não vos contei que toda a família se preocupou comigo menos ela. Não, ela não foi em lua-de-mel logo a seguir ao casamento. Por uma conveniência qualquer, só foi quase uma semana depois para as Maldivas. Mas isto é só para vos dizer que ela nem uma SMS me enviou a perguntar se estava melhor. Quando regressou, lá deu um saltito aqui a casa para ver como eu estava. Até porque agora parecia mal… Afinal a casa dela era na rua da minha mãe, do outro lado do passeio, 3 prédios acima.

 

Ontem veio aqui encomendar-me alguns produtos que eu vendo da Yves Rocher. Lá escolheu, o mais barato possível, e mesmo assim sempre a hesitar nos preços. Decidiu pedir um gel de banho, para uma prima nossa, cujo valor é de 2.99€. Até aqui tudo bem se ela fosse outra pessoa, já vão perceber porquê.

Estive a explicar-lhe alguns detalhes dos produtos e às tantas faz-me o seguinte comentário: “Não posso gastar dinheiro porque as coisas este ano estão muito más…” Deu-me um nojo descomunal, uma revolta nas entranhas mas mantive-me calada.

Então as coisas estão muito mal para ela que comprou uma casa de quase 50 mil contos e não vendeu a anterior, cujo marido ganha montes de dinheiro pois é dono de um gabinete de contabilidade, que tem a casa de solteiro do marido arrendada, que já comprou duas casas a pronto com o meu tio para alugar, que se abastece na mercearia da mãe a custo zero, que tem uma sogra que é um amor de pessoa e que não sabe o que fazer para agradar a minha prima por isso dá-lhe tudo, que é efectiva numa multinacional e não ganha nada mal?

 

Então que hei-de dizer eu?! Que andei de cavalo para burro, graças às sucessivas alterações dos concursos de docentes? Que suo as estopinhas em busca de emprego, que graças a Deus tenho conseguido à minha custa? Que tenho dois pais reformados com uma “fortuna” e a quem dou uma ajuda com o meu mini-ordenado? Que me farto de lutar, pois não me cai nada no colo, e nunca baixo os braços? Cinismo, não! Não suporto.

 

E ainda comentou comigo que não precisava de comprar muita coisa para oferecer pois a sogra o ano passado comprou prendas a dobrar para que a minha prima as pudesse oferecer, estão a perceber? Ou seja, a minha prima o ano passado não gastou dinheiro em prendas e este ano muito pouco. Nem em prendas nem em nada porque lhe dão tudo. Nunca precisou de fazer nada para ter o que quis. Sempre lhe caiu tudo no colo num estalar de dedos. Só é pena a minha prima ter tanto e não partilhar com os outros, ter tanto e ainda cravar os outros, ter tanto e ser tão somítica com tudo, ter tanto e não ajudar ninguém. Acha sempre que aquele cêntimo que gastou foi mal gasto nem que seja algo que ela precise para viver.

 

O cúmulo do cinismo e hipocrisia foi o aniversário da filha dela. Andou a espalhar aos sete ventos que não fazia nada no aniversário da filha por causa disto e daquilo (já não me lembro dos argumentos). A mim não me fazia diferença pois não fazia questão de ir, ia mais por uma questão de cerimónia e respeito pelos meus tios.

Vim a saber, depois, que fez uma festa de arromba na vivenda da sogra mas só convidou os amigos cheios de dinheiro, a família do marido e as tias ricas solteironas que um dia lhe irão deixar toda a fortuna. A ela e ao irmão pois são os únicos sobrinhos das tias ricas. Convém dar graxa também.

 

Acho que estas coisas são de muito mau gosto. Infelizmente, ela escolhe as pessoas pelo seu extracto bancário e pelo interesse que elas possam ter. Nós, as primas, pertencemos à parte pobre da família. Não nos enquadramos, economicamente, naquele meio. E ainda bem pois são só cromos horrendos e broncos.

Não gosto de fazer distinção entre pessoas nenhumas. Sempre que faço uma festa convido as minhas 3 primas direitas, com as quais fui criada (nas quais esta está incluída) e os meus amigos que são pessoas cultas, de mentalidade evoluída e muito bem educados. São pessoas afáveis, simpáticas e com quem se pode ter uma bela conversa. Não é o estatuto socio-económico que estabelece os laços de amizade mas sim a empatia, o amor e as vivências em comum.

Pronto, acabei o meu desabafo!